Notícias

Educação

Aulas remotas excluem alunos que não têm acesso a internet, computador ou celular

11 Jun 2020

Caderno e caneta são duas ferramentas básicas que possibilitam qualquer estudante participar de uma aula tradicional, na forma presencial. No entanto, isso muda completamente em quando se trata das aulas remotas, ou seja, à distância. Para que o aluno possa participar do processo é necessário que ele disponha de internet em casa, computador ou um celular. Em pleno 2020 isso pode parecer algo simples, mas não é. Embora o acesso a internet, computadores e smartphones tenha se popularizado nos últimos anos, nem todos têm a mesma oportunidade, sobretudo as pessoas de baixa renda.

De acordo com a 15ª pesquisa Tic Domicílios, realizada entre outubro de 2019 e março deste ano pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (Cetic.br), 28 milhões de casas não têm acesso a internet e 47 milhões de pessoas não têm acesso à rede. Apenas 57% das pessoas das classes D e E fazem uso da internet, que chega a 53% dos habitantes da área rural. A pesquisa mostra que 59% dos brasileiros utilizam a internet apenas pelo celular.

Aqui no Rio Grande do Norte a Secretaria Estadual de Educação deixou a critério de cada escola utilizar ou não as aulas remotas durante a pandemia da Covid-19.  Tendo como fundamento este tipo de pesquisa e conhecendo a realidade dos estudantes, o SINTE/RN se posiciona contra a implementação das aulas remotas no RN. Em 07 de abril a entidade emitiu uma nota explicando as razões pelas quais é contra a modalidade de ensino e orientando os professores a não ofertarem aulas online.

A diretora interina de comunicação do SINTE/RN, professora Simonete Almeida, afirma que aulas à distância excluem grande parte dos alunos do processo de ensino: “Dessa forma (aulas remotas) só atingirá uma pequena parcela dos estudantes e uma grande parte ficará excluído do processo ensino aprendizagem”.

A sindicalista aponta que as aulas não ofertadas durante o distanciamento social imposto pelo novo Coronavírus serão repostas tão logo a situação se normalize: “As horas aulas serão contabilizadas e ofertadas com mais qualidade e com a assistência do profissional para orienta-lo”.

Neste momento a direção do SINTE está discutindo internamente propostas que apresentará em breve à SEEC a fim de contribuir para a reorganização do calendário do ano letivo de 2020: “Respeitando o direito e as condições do estudante e do profissional que conduz o processo”, explica Simonete.

Embora defenda a retomada das aulas apenas na forma presencial, a sindicalista reconhece que os alunos serão momentaneamente prejudicados: “Sabemos que o processo educacional será prejudicado, mas não será diferente em outros setores. O ano de 2020 ficará na história como atípico em todos os aspectos, onde a prioridade é a saúde pública de toda a população. Temos que unir forças para passarmos e superarmos este momento da melhor forma possível”.

Educação

Aulas remotas excluem alunos que não têm acesso a internet, computador ou celular

11 Jun 2020

Caderno e caneta são duas ferramentas básicas que possibilitam qualquer estudante participar de uma aula tradicional, na forma presencial. No entanto, isso muda completamente em quando se trata das aulas remotas, ou seja, à distância. Para que o aluno possa participar do processo é necessário que ele disponha de internet em casa, computador ou um celular. Em pleno 2020 isso pode parecer algo simples, mas não é. Embora o acesso a internet, computadores e smartphones tenha se popularizado nos últimos anos, nem todos têm a mesma oportunidade, sobretudo as pessoas de baixa renda.

De acordo com a 15ª pesquisa Tic Domicílios, realizada entre outubro de 2019 e março deste ano pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (Cetic.br), 28 milhões de casas não têm acesso a internet e 47 milhões de pessoas não têm acesso à rede. Apenas 57% das pessoas das classes D e E fazem uso da internet, que chega a 53% dos habitantes da área rural. A pesquisa mostra que 59% dos brasileiros utilizam a internet apenas pelo celular.

Aqui no Rio Grande do Norte a Secretaria Estadual de Educação deixou a critério de cada escola utilizar ou não as aulas remotas durante a pandemia da Covid-19.  Tendo como fundamento este tipo de pesquisa e conhecendo a realidade dos estudantes, o SINTE/RN se posiciona contra a implementação das aulas remotas no RN. Em 07 de abril a entidade emitiu uma nota explicando as razões pelas quais é contra a modalidade de ensino e orientando os professores a não ofertarem aulas online.

A diretora interina de comunicação do SINTE/RN, professora Simonete Almeida, afirma que aulas à distância excluem grande parte dos alunos do processo de ensino: “Dessa forma (aulas remotas) só atingirá uma pequena parcela dos estudantes e uma grande parte ficará excluído do processo ensino aprendizagem”.

A sindicalista aponta que as aulas não ofertadas durante o distanciamento social imposto pelo novo Coronavírus serão repostas tão logo a situação se normalize: “As horas aulas serão contabilizadas e ofertadas com mais qualidade e com a assistência do profissional para orienta-lo”.

Neste momento a direção do SINTE está discutindo internamente propostas que apresentará em breve à SEEC a fim de contribuir para a reorganização do calendário do ano letivo de 2020: “Respeitando o direito e as condições do estudante e do profissional que conduz o processo”, explica Simonete.

Embora defenda a retomada das aulas apenas na forma presencial, a sindicalista reconhece que os alunos serão momentaneamente prejudicados: “Sabemos que o processo educacional será prejudicado, mas não será diferente em outros setores. O ano de 2020 ficará na história como atípico em todos os aspectos, onde a prioridade é a saúde pública de toda a população. Temos que unir forças para passarmos e superarmos este momento da melhor forma possível”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agenda

Newsletter